TAGS SETÚBAL - FOTOS SETÚBAL - ICONES SETÚBAL - MAPAS SETÚBAL - ONTEM



    ALMEIDA GARRETT (Rua)   detalhes detalhes detalhes detalhes Imprimir ampliar mapa detalhes detalhes

Copyright © 2012 - Roteiro de Setbal - www.roteiro.jmobp.com

   ALMEIDA GARRETT (Rua)  

Quem foi ? / O que aconteceu ?
  • ALMEIDA GARRETT
    Escritor e Poltico
    (04-02-1799) - (09-12-1854)

    Joo Baptista da Silva Leito de Almeida Garrett, 1 Visconde de Almeida Garrett. Nasceu na Freguesia de Santo Ildefonso (Porto) e faleceu na Freguesia de Santa Isabel (Lisboa). Devido invaso de Soult (1809), seus pais refugiaram-se em Angra, onde recebeu a influncia benfica de seu tio paterno, o Bispo Dom Frei Alexandre da Sagrada Famlia. Fidalgo-Cavaleiro da Casa Real e Ministro de Estado Honorrio, recebeu os graus de Comendador da Ordem de Cristo, Cavaleiro da Ordem da Torre e Espada, Balio Honorrio e Gr-Cruz da Ordem de So Joo de Jerusalm, Gr-Cruz da Ordem da Rosa, do Brasil, Gr-Cruz das Ordens da Estrela Polar, da Sucia e de Leopoldo, da Blgica, Grande-Oficial da Legio de Honra, de Frana e foi condecorado com a Ordem de Nichan Itfikar, de Tunes. Foi eleito Deputado s seguintes Legislaturas: 1837-1838, por Braga, como substituto de Manuel da Silva Passos; 1838-1840, pelos Aores; 1840-1842, eleito pelos Aores, Lisboa e Minho, optou por Lisboa; 1842-1845, pelos Aores; 1846, pelo Alentejo; 1851-1852, pela Beira. Par do Reino nomeado por Carta Rgia de 13-01-1852, tomou posse em 08-03-1852. Na sua infncia sofreu a influncia, sobretudo, de duas criadas, Brgida e Rosa de Lima, esta ltima mulata, que lhe contavam histrias populares, fantsticas, narrativas de alm-tmulo, e tambm lhe ensinavam modinhas correntes entre a gente do povo. aqui que arrancar o seu gosto pela tradio e folclore que muito lhe ho-de influenciar a maneira e o fundo e de que h-de haver indcios na criao de algumas personagens da sua vasta galeria. Recebeu ordens menores e aos 15 anos subiu ao plpito numa igreja da Graciosa em substituio do pregador. Matriculado em 1916 na Faculdade de Direito de Coimbra, em breve domina a Academia, agitada pelas novas ideias e trabalhada pelas associaes secretas, dedicando-se a actividades dramticas imbudas de intenes polticas. Concludo o curso em 1821 (ano em que publica o Retrato de Vnus), vem para Lisboa, onde imediatamente acumula triunfos literrios, com a representao do Cato (29-11-1821), afectivos, com o casamento precipitado com Lusa Midosi (de quem viria a separar-se em 1836), e polticos, com a orao fnebre a Manuel Fernandes Toms. Exilado como liberal em 1823, viveu em Inglaterra e em Frana at 1826. Regressado Ptria, dirige os jornais O Portugus e O Cronista. Conhece novo exlio de 1828 a 1832, voltando a Portugal com os bravos do Mindelo. De 1833 a 1836 nomeado Encarregado de Negcios e Cnsul-Geral na Blgica. Encarregado por Passos Manuel, na chefia do governo aps a Revoluo de Setembro de 1836, dedica-se restaurao do Teatro, cria o Conservatrio de Arte Dramtica, A Inspeco Geral dos Teatros e o Teatro Nacional. Deputado (1837), Cronista-Mor (1838) e Par do Reino (1851), em 1852, num Ministrio presidido por Saldanha, sobraou por alguns meses a pasta dos Negcios Estrangeiros. De 1837 a 1846 e em 1851-1852, foi Director do Conservatrio e Inspector-Geral dos Teatros. Foi Vogal do Conselho Ultramarino e Juiz do Tribunal Superior do Comrcio, membro da Sociedade Promotora da Indstria Nacional (1837), scio da Academia Real das Cincias de Lisboa (1852) e scio do Instituto Histrico-Geogrfico do Brasil. Dom Pedro V agraciou-o em 25-06-1854 com o ttulo de Visconde de Almeida Garrett. Iniciado na Maonaria, ao que se pensa, desde 1817, em Coimbra pertenceu s Lojas Sapincia e Jardineiros com o nome simblico de Mcio Scvola. Em 1822, j fixado em Lisboa, casou com Lusa Cndida Midosi, fez-se membro da Sociedade Literria Patritica e foi nomeado Oficial da Secretaria de Estado dos Negcios do Reino. Depois de um curto exlio a seguir Vila-Francada (1823), terminado pela amnistia de Agosto, reocupou o lugar at Abrilada (1824). Novamente exilado, primeiro em Inglaterra, onde colaborou no Popular, e depois em Frana, regressou ao Reino durante a vigncia da Carta Constitucional de 1826 a 1828, tendo colaborado nos jornais O Portugus e O Cronista. Preso em 1828, em virtude da usurpao miguelista, emigrou pela terceira vez para Inglaterra, onde colaborou no Chaveco Liberal (1829). A edio das Obras Completas de Almeida Garrett, em 1908, constam de 28 volumes, que abrangem poesias, novelas, peas de teatro, romances, ensaios literrios e polticos, discursos e recolhas folclricas que constituram os trs volumes do Romanceiro e Cancioneiro, de 1843-1851. Com os poemas Cames, em 1825, e Dona Branca, em 1826, inaugura em Portugal o romantismo, de que viria a ser o expoente pela sua polifacetada obra de ficcionista e poeta, folclorista e orador, dramaturgo e pedagogo. A tragdia Frei Lus de Sousa, a sua obra-prima, justamente considerada a obra mais brilhante que o teatro romntico produziu. Numa economia perfeita soube exprimir a mxima densidade do pattico na mxima simplicidade de aco e de dilogo na mxima verdade de psicologia, ao transpor a sua problemtica pessoal para um episdio de fundo histrico num ambiente de grande trgdia crist. autor ainda de duas obras que, cada uma no seu gnero, assumiram fundamental importncia, as Viagens na Minha Terra, em 1846, que renovou a prosa portuguesa, e o livro de poemas Folhas Cadas, em 1853, uma das mais perfeitas expresses, em lngua portuguesa, do lirismo confessional romntico. Obras principais: Poesia: O Roubo das Sabinas (escrito em 1820 e publicado em 1968); Retrato de Vnus, (1821); Cames, (1825); D. Branca, (1826); Adozinda, (1828); Lrica de Joo Mnimo, (1929); Flores sem Fruto, (145); Folhas Cadas, (1835). Fico: O Arco de SantAna, (volume I, 1845, volume II, 1850); Viagens na Minha Terra, (1846). Teatro: Mrope, (1820, data do ensaio); Cato, (1821, data da representao); Um Auto de Gil Vicente, (1838, data da representao); O Alfageme de Santarm (1842, data da representao); Frei Lus de Sousa, (1843, data da representao); Filipa de Vilhena, (1846), A Sobrinha do Marqus, (1848). Recolha: Romanceiro (volume I, 1843, volumes II e III, 1851). A 2 edio do volume I apresenta como ttulo Romanceiro e Cancioneiro Geral. O seu nome faz parte da Toponmia de: Albufeira, Alenquer (Freguesia do Carregado), Aljustrel, Almada, Almeirim, Alvito (Freguesia de Vila Nova da Baronia), Amadora, Amarante, Arouca, Aveiro, Avis (Freguesia de Ervedal), Barreiro, Beja, Benavente (Freguesia de Samora Correia), Braga, Bragana, Cadaval (Freguesia da Vermelha), Caldas da Rainha (Freguesia de Nossa Senhora do Ppulo, Deliberao de 09-05-1988); Cmara de Lobos, Caminha (Fregueisa de Vila Praia de ncora), Cascais (Freguesias de Alcabideche, Cascais, Estoril, Parede, So Domingos de Rana), Castelo Branco, Castro Verde, Entroncamento, vora, Fafe (Cidade de Fafe e Freguesia de Regadas), Faro, Figueira da Foz, Gondomar (Freguesias de Fnzeres, Gondomar, Rio Tinto e Valbom), Grndola, Guarda, Guimares, Idanha-a-Nova (Freguesia do Ladoeiro), lhavo (Freguesia da Gafanha da Nazar), Lagoa, Lagoa (So Miguel-Aores), Lagos (Cidade de Lagos e Freguesia de Odixere), Leiria, Lisboa (Freguesias dos Mrtires e Sacramento, Edital de 14-06-1880, antigas Ruas do Chiado e Portas de Santa Catarina), Loul, Loures (Freguesias de Portela, Sacavm, Santa Iria de Azia, Santo Anto do Tojal, So Joo da Talha e Unhos), Maia, Moita (Freguesias de Alhos Vedros e Vale da Amoreira), Montemor-o-Velho (Freguesia de Verride), Montijo, Murtosa, Odivelas (Freguesias de Fames, Odivelas e Pontinha), Oeiras (Freguesias de Carnaxide, Linda-a-Velha), Oeiras, Porto Salvo), Oliveira de Azemis, Oliveira do Hospital, Ovar (Cidade de Ovar e Freguesias de Arrifana e Fies), Paos de Ferreira (Freguesia de Seroa), Palmela (Freguesias de Pinhal Novo e Quinta do Anjo), Paredes, Penafiel (Freguesia de Novelas), Peniche, Portalegre, Portimo, Porto, Pvoa de Varzim, Redondo, Reguengos de Monsaraz, Sabugal, Salvaterra de Magos (Freguesia de Muge), Santarm (Freguesias de Amiais de Baixo, Santarm e Vale de Santarm), Santiago do Cacm, Santo Tirso (Freguesias de Areias, Aves, Santo Tirso e So Tom de Negrelos), So Joo da Madeira, Seixal (Freguesias de Amora, Corroios,Ferno Ferro, Seixal), Sesimbra (Freguesias de Quinta do Conde e Sesimbra), Setbal (Cidade de Setbal e Azeito), Silves (Freguesia de Pra), Sintra (Freguesias de Agualva-Cacm, Algueiro-Mem Martins, Almargem do Bispo, Belas, Massam, Rio de Mouro, Santa Maria e So Miguel), Tbua, Tavira, Torres Vedras (Freguesia da Silveira), Trofa (Freguesias de Guides e Trofa), Valongo (Freguesias de Campo e Ermesinde), Vendas Novas, Vila do Conde (Freguesias de Mindelo e Vila do Conde), Vila Franca de Xira (Freguesias de Alhandra, Alverca do Ribatejo, Pvoa de Santa Iria e Vila Franca de Xira), Vila Nova de Famalico (Freguesias de Brufe e Ribeiro e Vila de Famalico), Vila Nova de Gaia (Freguesias de Canelas, Oliveira do Douro, Pedroso, Valadares), Vila Real, Vila Real de Santo Antnio, Viseu. Fonte. Grande Enciclopdia Portuguesa e Brasileira (Volume 12, Pg. 185 a 189) Fonte: Dicionrio Cronolgico de Autores Portugueses, (Vol. I, Publicaes Europa Amrica, Organizado pelo Instituto Portugus do Livro e da Leitura, Coordenao de Eugnio Lisboa, 1991, Pg. 633, 634 e 635). Fonte: Dicionrio Biogrfico Parlamentar, 1834-1910, (Vol II, de D-M), Coordenao de Maria Filomena Mnica, Coleco Parlamento, Pg. 305, 306, 307 e 308 Fonte: Histria da Maonaria em Portugal, Poltica e Maonaria 1820-1869, (A.H. Oliveira Marques, Editorial Presena, III Voluma, 2 parte, 1997, Pg. 441). Fonte: Quem Quem, Portugueses Clebres, (Crculo de Leitores, Coordenao de Leonel de Oliveira, Edio de 2008, Pg. 246 e 247).

    Por: Manuel Lopes
    https://ruascomhistoria.wordpress.com/