TAGS SETÚBAL - FOTOS SETÚBAL - ICONES SETÚBAL - MAPAS SETÚBAL - ONTEM

Religio - Culto Conventos
  
Convento do Carmo


Coordenadas geogrficas - voltar ao inicio...


Morada - voltar ao inicio...

Localizao - voltar ao inicio...
     
   ampliar mapa Ecr completo (Full Screen)

Dados Histricos - voltar ao inicio...
  • O convento do Carmo em setbal , seu historial , No dia 11 do ms de Maio do ano de 1496, o rei D. Manuel assinava, em Setbal, um privilgio extensivo aos conventos carmelitas portugueses, em virtude do qual ficavam isentos de pagar sisa, decima portagem das bestas de madeira e outras escusas que comprassem, vendessem ou trouxessem de quaisquer lugares... 
    Nos finais do sculo XV (15 de Julho de 1499), um testamento, de Ferno Anes, deixava um olival ao convento do Carmo de Setbal. 
    Como natural, alguns frades deixariam ao convento os seus prprios bens, como deve ter feito, por volta de 1518, o Frei Joo Fidalgo

    Na primeira metade do sculo XVI, de salientar a proteco dispensada ao convento por Vasco da Gama e seus descendentes. O prprio Vasco da Gama comprou ao seu irmo D. Ayres da Gama a tena de 10.000 reaes, e a Margarida Annes a de 7.333 reaes, cujos contratos foram sancionados por el-Rei D. Manuel que lhe mandou passar padro, em carta sellada com o sllo pendente, datada de Lisboa a 20 de setembro de 1516, e confirmada por D. Joo III em Almeirim a 6 de junho de 1523. 
    A importantssima projeco dos Carmelitas portugueses na Amrica, travou, naturalmente, o processo fundacional na metrpole. 
    No obstante, em finais do sc. XVI e no sc. XVII fizeram-se algumas fundaes, que passamos a enumerar.

    Um manuscrito da Torre do Tombo oferece pormenores fiveis acerca das motivaes da fundao.
    Era provincial o Padre. Joo da Costa e prior do convento de Lisboa o Padre. Simo Coelho. Os Carmelitas compraram a lvaro da Silva, 2. cavaleiro da Ordem de Cristo e comendador da mesma Ordem, umas casas grandes, onde se pudessem alojar os religiosos que vinham de Lisboa para o Alentejo. A escritura foi assinada no dia 24 de Abril de 1597.0 prior e cavaleiros do convento do Carmo de Lisboa tomaram posse dessas casas nos finais o mesmo ano.
    Filipe II, por alvar outorgado no dia 28 de Novembro de 1601, deu licena para edificar um convento. Uma licena do arcebispo de Lisboa, Miguel de Castro, de 9 de Fevereiro de 1604, reitera que j lhe tinha sido dado licena havia dois ou trs anos.
    O Papa Clemente VII, por bula de 13 de Fevereiro de 1603, tinha autorizada a construo do edifcio?.

    Nmero de Religiosos

    Dos princpios do Sculo, XVII, dispomos de dados tirados do Regestrum do Geral da Ordem, Henrique Silvio, acerca do nmero de religiosos nos conventos portugueses:

    O Convento do Carmo da vila de Setbal tinha pela na sua antiguidade a 12a voz nos Captulos Provinciais e tinha 18 frades conventuais.

    Por volta dos anos 1650-1655, estava acabada a igreja.
    Sem poder precisar a data em que foi inaugurada, o Pe. Sancho Faro, irmo legtimo do Conde de Mira e que morreu na Transpontina de Roma, celebrou missa; onde pregou, nesta ocasio, o Padre. Joo da Silveira.
    No priorado dos anos seguintes, do Padre. Martinho, fizeram-se os arcos de pedra do claustro. As obras continuaram nos anos seguintes. 
    Em 1690, o Padre. Francisco Macedo mandou construir um rgo e comprar diversos objectos de prata 
    A igreja no era um templo majestoso, mas decente bem acabado, com tecto de abbada. 
    Em 1714, fizeram-se obras de certa importncia, para viver com mais comodidade. Conseguiu-se da Cmara um cano de gua; enriqueceu-se o patrimnio artstico da igreja com novos altares, talhas, etc.,. 
    O convento tinha as necessrias acomodaes. 
    No centro do claustro do convento, estava um fontanelo ou pequeno chafariz que recebia gua do chamado Pocinho, que est na Rua de S. Caetano. 
    Ao meio do chafariz erguia-se uma coluna em volta da qual ficava uma bacia de 2 metros de dimetro, tendo na parte exterior da circunferncia oito carrancas por onde saia a gua para o tanque que lhe ficava inferior.
    Tudo de mrmore lavrado.
    Na igreja, como era costume, existiam numerosas sepulturas de famlias nobres, como os Castro Melo.

    O TERRAMOTO DE 1755

    Em Setbal runa do convento seguiu-se a precipitao das ondas do mar, de modo que no havia esperana de que se pudesse edificar de novo o Convento.

    Em 1765, o prior, Toms Pinna de Mello, fez um livro onde anotou os bens que o convento possua e as capelanias com as suas obrigaes de missas. um livro excelente de 128 folhas. 
    Os setubalenses foram muito devotos dos Carmelitas e fizeram numerosas doaes compensadas. Havia outros bens que provinham de heranas dos prprios religiosos. 
    H um ofcio de 29 de Dezembro de 1834 e de 2 de Junho de 1835, assinado por Jos Maria Grande e dirigido a Antnio Nunes de Carvalho, para que fossem entregues os cartrios, pinturas, quadros, etc.
    As autoridades da vila ficavam obrigadas a fazer esta entrega.
    O edifcio foi ocupado pelo Ministrio da Guerra, no dia 19 de Junho de 1837, e utilizado como depsito de viveres. 
    Da parte no ocupada pelo Ministrio da Guerra encarregou-se a Cmara, no dia 20 de Junho de 1863. Actualmente e com as necessrias adaptaes, este espao um centro de ensino?.

    H no entanto ainda algumas dependncias do mesmo que pertencem Ordem Terceira do Carmo de Setbal:
    uma capela de dimenses discretas com imagens de santos carmelitas, salo de reunies, arquivo, etc.
    Em 1996, projectou-se a construo de uma residncia para idosos da Ordem Terceira. O processo foi concludo em 1 de Abril de 2004. 

    Resumindo
    Os historiadores e as fontes documentais so .unnimes em afirmar que a Ordem Terceira de Setbal foi fundada em 1674. Nela se alistaram numerosas pessoas pertencentes nobreza e ao clero.

    Nos anos seguintes, com emprstimos da Ordem Terceira de vora e esmolas dos prprios Terceiros, esculpiram-se as imagens, de modo que, em 1676, pde fazer-se uma procisso vistosa e que foi motivo de admirao. 

    ?No ano seguinte, 1677, a comunidade Carmelita doou aos Terceiros urna capela do complexo conventual para que celebrasse os seus prprios cultos. 
    Depressa os Terceiros de Setbal quiseram elaborar os estatutos para o seu governo.
    H indcios de que foram aprovados em 1676 e em 1678 .
    Os que conhecemos datam de 1691. Coincidem com os de outras Ordens Terceiras de Portugal, com algumas normas particulares de carcter local para os Terceiros de Setbal?..

    Por Adelino No Lima - https://www.facebook.com/isidro.sousa.92